SINBRACOM COLABORA COM JORNAL NACIONAL EM REPORTAGEM SOBRE O ETANOL

Etanol mais caro estimula o consumo de gasolina no Brasil

Nos últimos 12 meses, o aumento do preço do etanol foi maior do que a inflação oficial.

 

Um produto que tem pesado no orçamento dos consumidores é o álcool combustível. Nos últimos 12 meses, o aumento do preço do etanol foi maior do que a inflação oficial. E isso se refletiu na gasolina.

O reajuste de preço do etanol, anunciado pelas distribuidoras, pegou consumidores de surpresa.

“Nós estamos esperando só a próxima entrega de combustível, para a gente poder fazer o reajuste de 6%”, explica Marcelo Lima, gerente de um posto.

Há explicações para o aumento, segundo os economistas. E o principal motivo é uma velha regra de mercado, da qual o consumidor não consegue fugir. Se a procura por determinado produto cresce, o preço também costuma subir.

Nos últimos doze meses o consumo de etanol no país aumentou cerca de 9%. Por causa das chuvas houve atraso na colheita da cana de açúcar, matéria prima na produção do etanol.

O presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis do Rio diz que era possível esperar um pouco mais e evitar o aumento.

“Mesmo tendo atraso na colheita. Eles estão alegando chuva, está atrasando, mas não seria motivo para isso. Vai ser prejudicial para os postos e para o consumidor", afirma Manuel Fonseca da Costa, presidente do Sindcomb.

A Associação Brasileira das Distribuidoras de Combustíveis diz que o aumento não vai durar muito tempo.

“Já tem bastante cana saindo do campo e indo para as usinas. Então, a tendência é, daqui para frente, abaixar substancialmente o valor do etanol na bomba", aponta Valdemar de Bortoli Júnior, presidente da Abcom.

Por enquanto, o aumento no preço do etanol também elevou o da gasolina que tem álcool na composição. Segundo a Associação Brasileira das Distribuidoras, a gasolina já está sendo vendida aos postos com alta de 1,5%.

E o Governo Federal já determinou que a partir do mês que o percentual de álcool misturado à gasolina suba de 20% para 25%.

“O que aconteceu agora provavelmente é para também proteger a Petrobras em relação às importações. Você aumenta a participação de etanol, você diminui a importação de derivados, principalmente de gasolina”, avalia David Zylbersztajn, especialista em energia.

O consumidor deve ficar atento a e este cálculo. Segundo especialistas, o etanol só é mais econômico se representar até 70% do valor da gasolina.

Confira matéria completa aqui